sábado, 14 de setembro de 2019

quinta-feira, 12 de setembro de 2019

Feliz Regresso às Aulas - Boas Leituras

                                                                                            Ilustração de Sam Peet

quinta-feira, 4 de julho de 2019

Erasmus+ Projeto MELoDY


Uma escola inclusiva não é aquela que trata todos os alunos da mesma maneira. Uma escola inclusiva implica aceitação da diferença e a procura de estratégias que vão ao encontro das aprendizagens destes jovens, sendo uma preocupação o seu bem-estar e uma integração nas atividades escolares com os colegas das diferentes turmas das quais fazem parte. É o que acontece nas nossas escolas do agrupamento, em que estes jovens participam em projetos eTwinning, visitam museus, apreciam a arte e sabem estar em qualquer espaço público, tal como qualquer outro cidadão, ciente do seu papel na sociedade, que tem vindo, gradualmente, também ela, a integrá-los no mercado de trabalho.
A escola é, então, parceira da Desincoop em vários projetos, entre eles, o MELoDY, que juntou o nosso país, a Itália, a Noruega, a Irlanda do Norte – Reino Unido e a Espanha. Em conjunto, procuramos encontrar estratégias que ajudem os professores no processo de inclusão, construindo ferramentas que tornem o ensino mais agradável, motivador e eficaz. A partilha diversificada de experiências torna o projeto desafiador e todos sairemos mais ricos deste projeto.
Foi neste sentido que, no dia 3 de julho tivemos o prazer de partilhar as propostas do IO2 com o grupo de referência, os professores da educação especial do agrupamento, com quem partilhámos as propostas, esperando um trabalho colaborativo. Da equipa do projeto, estiveram presentes a Cecília Pinto e a Eduarda Esperança.
A reunião foi muito profícua, e agradecemos à Dra. Rosalina Pinheiro, diretora do AEFH, pela sua permanente disponibilidade em apoiar os projetos que constituem uma  mais-valia para os nossos jovens.



quarta-feira, 5 de junho de 2019

Erasmus+ projeto MELoDY


Erasmus+
Projeto “MELoDY”

O abandono escolar precoce, devido às dificuldades de aprendizagem, constitui uma inquietação por parte de vários países e deu origem ao projeto MELoDY, que pretende “interpretar, partilhar e promover, com base nas técnicas mais inovadoras a nível europeu e nas melhores práticas ao nível da escola”, recursos passíveis de serem utilizados pelos docentes, quando se confrontam com jovens com dificuldades de aprendizagem e têm de os integrar e motivar para a aprendizagem. No caso português, e de acordo com a legislação em vigor, o público-alvo são os alunos com medidas adicionais. A nossa escola foi convidada pela Desincoop a participar neste projeto, onde estão representados a Itália, enquanto país promotor, a Noruega, a Espanha e Reino Unido - Irlanda do Norte. Todos os países têm realidades diferentes, mas une-os uma só preocupação: a integração efetiva dos jovens com dificuldades de aprendizagem no sistema de ensino que se pretende defensor da igualdade de oportunidades.
Este projeto teve o seu início no ano letivo em curso e, em dezembro, nos dias 10 e 11, os representantes dos vários países reuniram-se em Guimarães, mais concretamente na nossa escola. Foi um momento de encontro de culturas, de maneiras de pensar e de realidades que, afinal, não são assim tão diferentes.
O segundo encontro teve lugar em Oslo, nos dias 5 e 6 de abril. Neste encontro, a Desincoop e a Escola Secundária Francisco de Holanda apresentaram o seu primeiro trabalho sobre o estudo da legislação portuguesa a partir da década de 70 à atualmente em vigor. Com a reforma de 1973, o Ministério da Educação, lançou, pela primeira vez, as bases para iniciar um processo de transformação e modernização da Educação Especial em Portugal. Naquela época, após uma grande reflexão no sistema nacionalista, foi publicada a Lei nº 5/73 de 25 de julho, que aprovava as bases, a que deveria obedecer a reforma do sistema educativo, para além de estender o conceito de educação no espaço escolar; passou a incluir outras atividades, que contribuíam para a formação dos indivíduos, dentro da família, noutros grupos primários e sociais e grupos profissionais. Pretendia-seAssegurar a todos os Portugueses o direito à educação, mediante o acesso aos vários graus de ensino e aos bens da cultura, sem outra distinção que não seja a resultante da capacidade e dos méritos de cada um…”
O novo Decreto-Lei 54/2018, de 06 de julho, sobre educação inclusiva, juntamente com o Decreto-lei 55/2018, de 07 de julho, sobre currículo, pretende promover uma escola inclusiva, cuja missão é promover o sucesso educativo de todos os alunos, garantindo a equidade educativa no acesso e nos resultados.  É imprescindível que os seus princípios orientadores sejam influenciados por todos os seus atores (gestores, professores, funcionários não docentes), com a organização dos recursos, dos meios e a qualidade de intervenção com os alunos, fundamentais para que as escolas se constituam como verdadeiros espaços de inclusão para todos. É, ainda, fundamental a participação ativa das famílias para que haja sucesso educativo e uma plena inclusão dos jovens.
O MELoDY pretende, com a colaboração dos diferentes países envolvidos, ser uma mais-valia numa sociedade mais justa, em que a diferença é um direito e não uma castração.



quinta-feira, 2 de maio de 2019

terça-feira, 30 de abril de 2019

Concurso Nacional de Leitura - Fase Intermunicipal

Ontem, teve lugar na Biblioteca Municipal Camilo Castelo Branco, Vila Nova de Famalicão, Fase Intermunicipal da CIM do Ave, o Concurso Nacional de Leitura 2019. Parabéns às nossas alunas Sofia Navarro e Lígia Fernandes que passaram à Fase Nacional do Concurso Nacional de Leitura.Esta terá lugar no auditório Altice – Forum de Braga, no dia 25 de maio. As bibliotecas escolares da EB1/JI de Santa Luzia e da Escola Secundária Francisco de Holanda, felicitam os alunos, jovens leitores, pelos seus resultados!

segunda-feira, 29 de abril de 2019

Livre com um livro

Um dia...todos serão lembrados

À semelhança dos anos anteriores, a biblioteca colaborou com a iniciativa do Núcleo de Estudos 25 de Abril, que junta, todos os anos, jovens das diferentes escolas do concelho, através das bibliotecas escolares para preparar um espetáculo a lembrar os valores de Abril.  A representar-nos estiveram os alunos José Luís Viamonte, João Pedro Fiedlher e Francisca Simões.  A encenação esteve a cargo do ator Nuno Preto, que adaptou um texto de “Os Memoráveis” de Lídia Jorge. Esta iniciativa, para além de proporcionar aos alunos a oportunidade de trabalhar com um ator profissional, num espaço, também ele, especial, possibilita o conhecimento e a interação entre jovens de diferentes escolas do concelho e de diferentes faixas etárias. E, acima de tudo...recorda-nos a todos que os ideais de Abril não podem ser esquecidos!





quinta-feira, 25 de abril de 2019

Dia da Liberdade

Com mãos se faz a paz se faz a guerra.
Com mãos tudo se faz e se desfaz.

Com mãos se faz o poema - e são de terra.

Com mãos se faz a guerra - e são a paz.

Com mãos se rasga o mar. Com mãos se lavra.
Não são de pedras estas casas, mas
de mãos. E estão no fruto e na palavra
as mãos que são o canto e são as armas.

E cravam-se no tempo como farpas
as mãos que vês nas coisas transformadas.
Folhas que vão no vento: verdes harpas.

De mãos é cada flor, cada cidade.
Ninguém pode vencer estas espadas:
nas tuas mãos começa a liberdade.
                                Manuel Alegre